Câmara aprova lei que irá ajudar a proteger bens culturais e históricos de Fronteira

Ir em direção futuro e ao progresso, mas sem jamais nos esquecermos das nossas raízes e dos nossos antepassados.

Câmara aprova lei que irá ajudar a proteger bens culturais e históricos de Fronteira

Ir em direção futuro e ao progresso, mas sem jamais nos esquecermos das nossas raízes e dos nossos antepassados.

Foi com intenção de preservar a rica história do nosso município que o prefeito Marcelo Passuelo enviou para Câmara de Vereadores um projeto de lei que estabelece regras para a proteção e preservação dos bens culturais de Fronteira.

O projeto que foi aprovado por todos os vereadores que compõem o legislativo fronteirense não prevê apenas a conservação de prédios, construções e monumentos históricos, essa lei também tem como objetivo preservar os bens imateriais da nossa cidade como a culinária, as danças típicas, os festejos históricos e até mesmo paisagens e cachoeiras serão protegidas por essa lei que foi aprovada no dia 13 de novembro.

Durante a sessão, os vereadores não pouparam elogios à Cristiane Aparecida Alves, Secretária Municipal Cultura, Esporte e Lazer, que procurou pessoalmente a cada vereador para explicar para eles a importância de se apoiar esse projeto. Os vereadores ainda elogiaram a disponibilidade da secretária Cristiane que fez questão de conversar até mesmo com os vereadores que fazem oposição à gestão do Prefeito Marcelo Passuelo.

Além de estabelecer regras para a preservação do patrimônio cultural de Fronteira, a nova lei também propõe a criação do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural que será o responsável por formular as políticas e ações para a proteção de bens históricos tanto públicos quanto particulares. Ainda não se sabe por quantas pessoas esse conselho será formado, a única certeza é que nenhum dos seus integrantes receberá salário ou qualquer outro tipo de remuneração.

O conselho também terá como função catalogar todos os bens materiais e imateriais do município, bem como propor o tombamento de monumentos, prédios e documentos e ainda poderá denunciar pessoas que estejam destruindo ou delapidando patrimônios culturais da cidade.

Vale ressaltar que o projeto de lei aprovado pela Câmara de Vereadores de Fronteira ainda prevê sanções para pessoas e empresas que destruírem ou estragarem qualquer patrimônio cultural da cidade, essas punições vão desde uma simples advertência até a aplicação de multas.

Para o vereador Carlos Mamed essa lei é um grande avanço, pois irá permitir que a história da cidade de Fronteira seja devidamente preservada. “Muitas vezes pensamos tanto no futuro, no progresso, que nos esquecemos do nosso passado e de onde viemos. E se a história já nos ensinou alguma coisa é que jamais devemos virar as costas para ao passado, já que ele sempre nos fornece valiosas lições e ensinamentos”.


Publicado por: Assessoria

Publicado em: 26 de novembro de 2018

Cadastre-se e receba notícias em seu email